top of page

Eram provavelmente trinta segundos para que a televisão valvulada da casa da avó de Bruno Vilela, na cidade de Surubim, em Pernambuco, começasse a transmitir as cenas daquela década de 1980.

 

Mesmo que tecnicamente breve, a espera pelas imagens televisivas e suas narrativas de outras partes do mundo fazia com que, aos olhos curiosos do artista então criança, a duração necessária para que se aquecessem os filamentos fosse sentida como largos cinco minutos. Durante esse tempo afetivamente alongado em sua memória, pairava, na tela, um brilho turquesa, inscrevendo o tema da luz na singularidade de sua obra. 

 

Ao longo das décadas seguintes, a pesquisa de Bruno Vilela encararia a luminosidade a partir da ótica de seu duplo: a sombra. Por isso, o que em seu trabalho ilumina, não o faz a convite, mas através de uma teimosia, esforçada e resoluta perseverança em luzir. 

 

Se os luminosos feixes da televisão de tubo precisavam impor seu calor para que as imagens se fizessem vivas na tela, agora é o próprio artista que, desde a opacidade do seu imaginário, media — entre a extinção e a restauração — a persistência da luz.

LIVRO BRUNO VILELA - A PERSISTÊNCIA DA LUZ

R$ 180,00Preço
  • Edição/Curadoria/Organização: Bruno Vilela, Clarissa Diniz, Propágulo
    Projeto Gráfico: Propágulo
    Capa: Bruno Vilela
    Revisão: Samanta Lira

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR